X
    Escrito por Danielle Jardim
    Postado em 2 de Janeiro de 2018, na categoria Carreiras em Turismo

    A profissão do turismólogo é cercada de conflitos, oportunidades, desvantagens e vantagens assim como toda profissão e algumas destas características serão esclarecidas a seguir.

    Se você pensa em cursar turismo, mas ainda tem milhares de perguntas a serem respondidas antes de prestar o vestibular, saiba que nós temos a resposta!

    1. Que curso superior devo fazer para ser turismólogo?

    O curso de turismo (bacharelado) é quem forma turismólogos por todo o Brasil, mas é bem comum encontrar instituições que ofereçam o curso em formato tecnológico com uma carga horária menor que a da graduação que forma bacharéis.

    Diferenças entre tecnólogo e bacharelado

    Não se preocupe, pois ambas as formações são pertencentes ao Ensino Superior e a diferença está no foco central do ensino e no tempo de duração.

    Bacharelado: A duração gira em torno de 3 a 4 anos de curso e tem um foco maior no conhecimento mais amplo do turismo, com disciplinas diversas. É por isso também que o curso é conhecido por ser multidisciplinar, ou seja, é distribuído por uma variedade de disciplinas.

    Tecnólogo: Sua duração é de 2 a 3 anos no máximo. A sua característica principal é o foco em uma determinada área específica geralmente. No turismo, muitas instituições de ensino oferecem o curso com o nome de “Gestão de Turismo”.

    Cada Instituição oferece o curso com um foco e preferência. Por exemplo: Uma com foco na gerência administrativa e financeira do turismo, outras com foco no planejamento, operação e organização dos produtos turísticos etc

    2. O que faz exatamente um turismólogo?

    Em resumo, o turismólogo é o responsável por administrar, fomentar, planejar e gerenciar todos as atividades de turismo, sejam essas de negócios ou lazer. Ao contrário do que muitos pensam, a função do turismólogo não é viajar e sim cuidar da viagens e de todos os fatores que influenciam a atividade turística.

    Por isso que dizemos que o curso é ideal para quem gosta de estudar sobre a viagem. 🙂

    Confira os textos e ideias na categoria ‘Carreiras em Turismo‘.

    3. Onde atua o turismólogo?

    Em hotéis, aeroportos, empresas de consultorias, secretárias públicas, universidades, empresas de eventos variados, agências de viagens, startups de turismo, produzindo conteúdo como freelancer, como microempreendedor individual e áreas relacionadas.

    As chaces são quase infinitas, já que turismo tem a ver com tudo ao nosso redor: comércio, transportes, hospedagens, gastronomia, entretenimento, negócios, saúde, lazer etc.

    4. Quais as principais características na profissão do turismólogo?

    • Gostar de estudar sobre a viagem, durante a viagem e não apenas ter paixão por viajar já que na maioria das vezes o profissional estará nos bastidores da viagem.

    • Ter facilidade para se relacionar com outras pessoas é fundamental, pois na maioria dos cargos existe um contato direto com turistas e fornecedores que irão exigir também o domínio de um ou mais idioma além do português, é claro.

    • Disponibilidade de horário, já que em muitos destinos turísticos, boa parte da renda de empresas vem do turismo nos feriados e finais de semana. Por isso, é comum que o empregado trabalha com o regime de escala 6×1, mesmo em cargos gerenciais.

    • As possibilidades para o trabalho de segunda a sexta e em horário comercial se reservam para alguns estagiários, empregos em determinados centros de cidades, comércio de rua e atividades similares.

    5. O que é melhor, Turismo ou Hotelaria?

    A escolha deve ser sua. Não adianta dizermos aqui que um curso é melhor que o outro se você não tem vontade de estudar sobre.

    O curso de turismo aborda a atividade turística em amplas áreas. Já o curso de hotelaria é específico para quem pretende trabalhar com a administração, planejamento e gerenciamento na hotelaria, além de outros meios de hospedagem.

    Ainda ficou na dúvida de qual cursar? Continue lendo as diferenças dos curso de turismo e hotelaria.

    6. Como está o mercado de trabalho para o turismólogo?

    O mercado está cada vez mais estreito, as vagas no setor e em alguns sites específicos estão bem escassas. A crise contribuiu muito para a demissão de diversos cargos, principalmente no setor de hospedagens.

    Mesmo assim, algumas áreas continuam em ascensão e a dica principal é que você acompanhe a tendência evolutiva da área que deseja trabalhar, para saber se está valendo a pena investir em determinada carreira e para saber como se diferenciar da concorrência.

    7. É verdade que a profissão não é regulamentada?

    Sim. Somente em 2012 que a profissão foi reconhecida, mas não regulamentada, pela ex-presidente Dilma Rousseff. No documento que reconhece a profissão, a presidente da época vetou artigos que regulamentavam a profissão do turismólogo.

    Caso fosse regulamentada a entrada de administradores, engenheiros, advogados e outros profissionais na área seria proibida.

    Em resumo, como turismólogos não podemos atuar como advogados, porém advogados podem ocupar cargos no turismo que deveriam ser destinados somente aos turismólogos, principalmente em cargos públicos.

    8. O que se estuda na graduação em turismo?

    As matérias são diversificadas e o curso é caracterizado por esta multidisciplinaridade. Não só matérias de humanas, mas é comum encontrar na grade mais de uma matéria relacionada com exatas.

    Saiba mais sobre a grade curricular do curso de turismo

    9. Posso ser guia de turismo com meu diploma de Bacharel?

    Não. Para ser guia de turismo é necessário uma formação específica, através de um curso técnico que forma guias de turismo.

    É comum encontrar gente perdida achando que pode trabalhar com guiamento fazendo a faculdade de turismo. A graduação em turismo forma somente turismólogos aptos a trabalharem em diversas áreas.

    10. Como posso fazer a diferença neste mercado?

    O mercado esta cada vez mais competitivo e não só no turismo, mesmo com a falta de uma regulamentação e os baixos salários ainda é possível fazer a diferença neste mercado.

    O turismo conta com uma enorme facilidade para empreender (na tecnologia, transportes, hospedagens etc) e criar novos tipos de carreiras e cargos.

    O ideal é que você encontre a sua área ou pense em qual problema deseja solucionar para começar a desenvolver o seu plano de ação. O planejamento da sua carreira é mais que fundamental para que você não perca o foco e não se acomode em uma posição que não te satisfaça.

    Deixe uma resposta

    Seu email não será publicado.



    *

    1. André de Lima Ferreira em 3 de Janeiro de 2018

      Texto escrito de forma objetiva, muito obrigado !

    2. Maria José Giaretta em 4 de Janeiro de 2018

      Parabéns pelo artigo.
      Só queria acrescentar que a área não é fácil, mas muito rica, mas mesmo em crise na minha última turma de formandos apenas uma pessoa não entrou na área.
      Sou formada na turma de 1981 e nunca me faltou emprego e amo o que faço, se soubesse cantar cantaria “Começaria tudo outra vez
      O salário vai crescendo com o desenvolvimento da pessoa. Falou bem nós turismólogos não paramos de estudar nunca.
      Somos invadidos porque deixamos. Nossa categoria enquanto categoria, de união de esforços e luta é um fracasso, como a sociedade doente que vivemos está muito doente. Todo mundo reclama, mas se agendar um evento sério, uma Assembleia, aparece meia dúzia.
      Nossa área está fraca porque temos Bacharéis em Turismo que escreve contra a profissão, só fala das coisas negativas, mas nunca fez nada pela classe. Outros só pensam em si.
      A ABBTUR de São Paulo está morta porque a última presidente não se digna a realizar uma Assembleia para que a classe busque alternativas.
      Dentro das próprias Universidades não se respeita o Bacharel em Turismo. Desde o final da gestão de Fernando Henrique o MEC largou o Turismo, cada um faz o que quer e se a nota do ENADE passe de 3 não tem fiscalização. Também é preciso inovar e acompanhar os avanços do mercado.
      A segmentação dos cursos, contribuiu para o fim de muitos cursos. Tudo virou uma colcha de retalhos e os pedaços são cinzas e não integram o todo.
      A Gestão pública nos ignora, Na Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo, o último concurso se deu no final dos anos 1970, os profissionais desta época já se aposentaram e alguns já morreram e a resposta é sempre que não tem dinheiro. Não tem para pagar gente séria só para os” amigos do rei.”
      A Assembleia legislativa criou a lei do MIT, boa mas meu medo é que se torne uma moeda de troca, já que as Estâncias já foram equivocadas desde a gestão de Laudo Natel, convencionando o termo e não seguindo o conceito. Teria sido uma oportunidade aos Bels. em Turismo se tivesse previsto o aval do Bacharel em Turismo e da mesma forma que a Secretaria o Técnico é convidado, não tem critério transparente e democrático ou por conhecimento e mérito, de novo o “qi”
      O Ministério do Turismo foi criado em 2003, nos últimos anos foi uma vergonha, tivemos uma troca incessante de ministros, um preso, outros quietos porque estão envolvidos em outras operações, outro usou o período de gestão para divulgar a Miss Bumbum, enfim os bons que passaram por lá não permaneceram porque não eram políticos. A pasta é uma barganha política. Meu lema é ‘Sem Turismólogo não haverá desenvolvimento Turístico.”
      O Ministério do Turismo tirou até nosso CADASTUR.
      A área privada aproveita muitos egressos dos cursos, mas a demanda cai decorrente de crise econômica que nossos governantes colocaram o país, mas vivo na área e posso dizer que nos respeita mais que a gestão pública.
      Só lembrando que os cursos foram criados para formar planejadores e poucos alcançam este posto, decorrente de que as vagas estão no poder público em sua maioria e que deveria dar o exemplo.
      Com relação aos Guias sugiro os interessados que entrem nos cursos e solicitem aproveitamento de estudos e em 6 meses tirará o diploma para obter o CADASTUR.
      Diante desta lástima também cantaria:
      “Ando devagar porque já tive pressa
      E levo esse sorriso porque já chorei demais
      Cada um de nós compõe a sua história,
      Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
      de ser feliz.”

      Maria José Giaretta – soldada dos Bacharéis em Turismo até morrer.

      • Danielle Jardim em 4 de Janeiro de 2018

        Faça das suas minhas palavras!!

        Estou muito feliz de saber que meu trabalho aqui na Vivenciando Turismo chegou até você, que foi uma das minhas autoras escolhidas na minha monografia. me sinto mais feliz ainda de compartilhar do mesmo pensamento.

    3. Sandra Capello em 27 de agosto de 2018

      Muito boa as dicas mesmo. Sempre busco informações desse tipo para aprender e entender, porém a transparência como se beneficia dessas dicas e aplica mesmo é dificil encontrar como encontrei aqui.

    Receba toda semana nossas dicas,
    entrevistas e ideias pra você inserir no turismo e na sua carreira.

  • Tá Tendo Evento

    A gente te conta quais os eventos estão acontecendo por aí pra você se programar com calma.
  • Inseri uma Ideia

    Fique de olho nas empresas fundadas e gerenciadas por turismólogxs. A próxima pode ser a sua!
  • Protagonismo

    Nossas dicas de currículo, entrevista e branding pessoal pra você.
  • |