X
    Educação 6 de outubro de 2017

    A era digital chegou na educação e está simplificando cada vez mais a maneira de apreender, tornando o impossível acessível. Confira as dicas de cursos sobre empreendedorismo, finanças pessoais, formalização de empresas etc.

    Escrito por Danielle Jardim
    Postado em 21 de setembro de 2017, na categoria Graduação

    Um professor uma vez me disse que o turismo em uma definição bem resumida significa deslocamento. Se pararmos para pensar nesta palavra, ela realmente é a que mais se encaixa na atividade, mas ainda sim, o que mais me incomodava enquanto eu estava na graduação era o fato de eu passar a maior parte do tempo em sala de aula, assistindo o conteúdo por slides, tirando cópias de textos e fazendo exercícios em dupla.

    Acho que este foi o ponto que mais me decepcionou na graduação, pois eu a entendo como um treinamento para o mercado de trabalho e treinamento, na minha opinião, vem do exercício da prática. Cheguei no mercado e me deparei com o cenário completamente diferente ao da teoria e acabei descobrindo que a prática surge depois que se assina a carteira de trabalho, em um luta constante para “manter de pé” as citações dos autores que escolhi para minha monografia.

    Veja bem, entendo que a teoria é essencial para adquirirmos conhecimento, mas a prática é fundamental para o entendimento da teoria. E, apesar do turismo ser também deslocamento, eu passei – assim como muito de vocês – boa parte da minha graduação em sala de aula. Quando viajava nas chamadas “viagens técnicas” era como turista, com um guia a frente dos passeios e um resumo de duas páginas a ser feito na volta sobre o nosso ponto de vista sobre a viagem.

    Foto: Retail Lab, Site ESPM

    Enquanto isso, outros cursos de graduação dão valor a teoria e a prática juntas, algumas instituições são consideradas referências e são procuradas por empresas do mercado, para que os alunos vivenciem cases e experiências com relação as matérias que estão sendo vistas em sala de aula. A ESPM é um exemplo disso, durante as minhas aulas da pós graduação à distância, eu estou tendo mais experiências práticas que quando estava em um sistema de ensino presencial, através de cases e vídeos com professores diretamente no mercado. Além disso, a ESPM, dentre as várias possibilidades de imersão do conteúdo que ela apresenta ao aluno, tem um Retail Lab, um laboratório de varejo para que os alunos possam estudar na prática os produtos, serviços, marcas etc.

    Leia também: Serie EAD: Pós-graduação na ESPM

    Não que o curso de turismo tivesse que criar um semelhante, mas criar parcerias com empresas do ramo para que os alunos pudessem compreender o quão amplo é a profissão. Hangouts com profissionais e CEOs do mercado também são uma forma de por a teoria em prática, a tecnologia deve ser aliada da educação principalmente nestas horas.

    Não são só cargos que se tornam obsoletos. As matérias da faculdade também!

    A professora Mariana Aldrigui – Professora e pesquisadora de Turismo na Universidade de São Paulo (USP) – certa vez escreveu para o blog “Ensinando Turismo” do Panrotas, sobre algumas disciplinas de uma universidade européia, dentre algumas que nós temos aqui no Brasil, ela selecionou as que mais se encaixam no contexto atual do mercado, mas que não aparece nas grades curriculares das universidades nacionais. São elas: Fundamentos de Inteligência de Negócios (Business Intelligence), ferramentas digitais, Gestão Empreendedora, Empreendedorismo no Turismo, Projeto Internacional, Mídias Sociais, Ferramentas para Design de Serviços, Capital Intelectual, Resolução Ética de Problemas, Gestão de Relações com o Consumidor (CRM), dentre outras.

    Alguns podem pensar que se tratam de matérias relacionadas ao curso de marketing ou publicidade, mas na verdade são matérias com assuntos cotidianos do mercado, ofertadas pelo curso de turismo de uma instituição que entende que o mercado turístico está em constante mudança. Hoje em dia é difícil encontrar uma vaga que não exija conhecimentos básicos do mercado digital, mesmo você sendo um recepcionista, agente de viagens, coordenador, agente de informações turísticas ou gerente é preciso estar conectado. De que adianta falarmos de empreendedorismo e criatividade em sala de aula se não temos cases reais e de sucesso, em eventos, em encontros ou em passeios técnicos em parcerias com empresas do setor?!

    Algumas instituições e professores falam sobre a criatividade, mas não a estimulam, falam sobre o empreendedorismo, mas não conseguem nos dar cases de turismólogos em destaque no mercado. E não é por falta de profissionais, mas por falta de uma grade voltada ao mercado atual. Já comentei em um texto aqui sobre profissionais que desenvolvem ótimos trabalhos que conheci no LinkedIn. Aliás, esta é uma rede mencionada em sala de aula?!

    Leia também: Protagonismo da Irlanda a Portugal, com Nathália Gomes

    Não dá para os cursos de graduações manterem a mesma grade e proposta de aula que a da turma de 2000. Comecei minha graduação em 2012, a terminei em 2016 e descobrindo depois que era a mesma grade dos ingressantes de 2009. Precisamos falar – diariamente – sobre os métodos de ensino das graduações em turismo no Brasil, porque o turismo de ontem certamente é diferente daquele exercido hoje e precisamos estar preparados para isso.

    Receba toda semana nossas dicas,
    entrevistas e ideias pra você inserir no turismo e na sua carreira.

  • Tá Tendo Evento

    A gente te conta quais os eventos estão acontecendo por aí pra você se programar com calma.
  • Inseri uma Ideia

    Fique de olho nas empresas fundadas e gerenciadas por turismólogxs. A próxima pode ser a sua!
  • Protagonismo

    Nossas dicas de currículo, entrevista e branding pessoal pra você.
  • |